O crescimento da Black Friday

Policiais na Filadélfia, EUA, usaram pela primeira vez o termo "Black Friday" na década de 1950, quando grandes multidões de turistas e compradores vieram à cidade no dia seguinte ao Dia de Ação de Graças, criando oportunidades de caos, tráfego e furtos.

O nome "Black Friday" logo cresceu nos EUA e hoje marca o começo da época de Natal, onde as lojas competem para oferecer os melhores negócios.

O conceito foi trazido pela primeira vez ao Reino Unido em 2010, quando a varejista on-line Amazon promoveu uma série de descontos e ofertas para os consumidores - e a Grã-Bretanha ficou viciada.

O supermercado Asda, de propriedade da varejista norte-americana Walmart, mais tarde realizou sua própria venda da Black Friday em 2013, que rapidamente se transformou em caos, fazendo manchetes nacionais enquanto os clientes lutavam fisicamente por televisores de tela plana.

Desde então, o dia de vendas tem crescido ano a ano, embora grande parte das compras agora seja feita on-line, graças em grande parte à ascensão do smartphone.

Andy Mulcahy, Diretor de Estratégias e Insights da IMRG, a associação britânica de varejo on-line, disse que o evento afetou a forma como fazemos compras na Grã-Bretanha: "Os consumidores estão atrasando as compras por causa da Black Friday".