Ateísmo Niilismo Reflexões sobre Trilogia ebook

Ateísmo Niilismo Reflexões sobre Trilogia ebook, vale a pena comprar? Especificações, Ficha Técnica

Ateísmo Niilismo Reflexões sobre Trilogia ebook, vale a pena comprar? Especificações, Ficha Técnica

Oferta: Promoção, Preço e Desconto

Na tabela abaixo você encontra informações gerais sobre promoção, preço e desconto relacionados à oferta mais recente disponível para Ateísmo Niilismo Reflexões sobre Trilogia ebook. Esperamos que você goste, e caso resolva adquirir ou saber mais sobre o produto, clique no botão vermelho logo abaixo.

Preço R$4.99
Oferta mais recente Até 60% off em eBooks de Ciências Humanas

Atenção! Esta oferta termina em 9 dias ou até quando durarem os estoques.

Pegar oferta!

Informações Gerais

Uma defesa filosófica do niilismo existencial baseada na ciência moderna.

* * *

Ateísmo e Niilismo é uma tentativa de justificar a transição do ateísmo ao niilismo com base na ciência moderna. Nele é apresentada uma interpretação do niilismo (niilismo existencial) segundo a qual ele se segue de considerarmos as implicações de nossas principais descobertas científicas, bastando revisitar as questões existenciais clássicas à luz do conhecimento atual.

* * *

PREFÁCIO

INTRODUÇÃO

:: OS FUNDAMENTOS DO NIILISMO
1. Niilismo como descrença
2. Por que estamos aqui?
3. Não há evidências
4. Que é sentido?
5. Ateísmo implica niilismo?
6. Teoria e prática I
7. Teoria e prática II
8. Mitos sobre niilismo
9. O valor da verdade
10. A questão final

:: DELIMITANDO VALORES
1. O universo conhecido
2. Valores e seu contexto
3. Desnecessidade de ideais
4. Resgatando o óbvio
5. Morte da realidade

:: SENTIDOS E CRENÇAS
1. O sentido natural
2. Emoções e metafísica
3. Acreditar na vida
4. Rodeios biológicos
5. Fantasma da função

:: VERSÕES DE SI MESMO
1. A construção da imparcialidade
2. Óticas sobrepostas
3. Isolando variáveis
4. Razões rivais
5. Arena virtual

REFERÊNCIAS

* * *

“É impressionante ver que os maiores ataques ao niilismo não são filosóficos, mas emocionais. O termo adquiriu certa repulsa e não se consegue dissociá-lo de um estado depressivo no qual os niilistas odeiam a própria existência a ponto de negá-la. O critério emocional é tão evidente que não há a mesma rejeição para com correntes filosóficas que adotam o niilismo como ponto de partida: é assim com o existencialismo. O fato de dizer que nossa existência não tem sentido por si só é a própria premissa niilista, mas a corrente existencialista tem a seu favor o jogo estilístico de evitar o “nihil” e adicionar sentido “a posteriori”. No fundo, não importa o quão racionais sejamos, pois sempre nos acharemos escravos de alguma crença da qual não estamos dispostos a nos libertar. Para os que assim desejam, não basta senão coragem e integridade intelectual para abandoná-las. Tendemos a usar uma metáfora para justificar o ateísmo: a de que todos são ateus com os deuses dos outros e que nós simplesmente somos ateus com relação a mais um; no caso do niilismo, podemos dizer o mesmo: só que o deus que alguns ateus não conseguem abandonar é muito mais emocionalmente desastroso do que as figuras mitológicas, uma vez que diz respeito às nossas próprias vidas, com ou sem divindades externas.
A obra é muito feliz em descrever um raciocínio linear que nos leva de um ponto pacífico para muitos — o ateísmo — e avançar pelos mesmos caminhos até o niilismo. Cancian continua com a mesma veia afiada para a escritura e seus exemplos se tornam cada vez mais maduros e com maior potencial explanatório. A “Aposta de Cancian” é de uma lucidez e de uma perspicácia sem precedentes e encarna bem o espírito inquisidor e imparcial de uma boa empresa filosófico-científica. A leitura é agradável, mas não deixa de agredir os sentimentos mais íntimos de egoísmo. Sem a devida reflexão prévia sobre o assunto, torna-se intragável ler todas as palavras despidas de elogios à nossa espécie e é praticamente impossível não levar para o lado pessoal todas as conclusões que parecem diminuir nossa importância cósmica. Contudo, o leitor honesto não desistirá da leitura e aquele que tiver um comprometimento maior com as respostas certamente apreciará o processo, sentindo-se enriquecido pelos posicionamentos e testando os seus próprios preconceitos com os exercícios mentais. No mais, fica o convite para o aprofundamento nas referências bibliográficas, que traduzem o que de melhor temos, não só nas especulações filosóficas, mas também nos estudos científicos de ponta.”
— Jairo Moura